Economias avançam com dados da China, Eleição dos EUA e progresso da vacina

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Mais uma vez as expectativas do mercado são surpreendidas positivamente com os bons resultados das empresas no 3º trimestre de 2020; e ainda com o anúncio da parceria entre as farmacêuticas BioNTech e Pfizer para desenvolvimento da vacina contra o Covid-19. O Índice Bovespa encerrou a semana avançando para os 104.723 pontos com alta de 3,76%.

Os mercados futuros dos Estados Unidos também estão em alta.  S&P 500 encerrou a semana com alta de 2,2%; o índice Dow Jones, com alta 4%. O Dólar também terminou a semana com alta de 1,60% em comparação ao real, fechando em R$ 5,46. Mas ainda assim o Nasdaq Composite, retraiu 0,6%.

A semana começa com as bolsas em todo o mundo subindo, após a divulgação de dados que indicam o aquecimento da economia asiática. Por outro lado, o crescimento da quantidade de novas contaminações de Covid-19 cresce diariamente nos EUA e na Europa, o que deixa os investidores em alerta.

A produção industrial na China teve aumento de 6,9% nos últimos 12 meses conforme dados publicados nesta segunda (16/11); superando o percentual de 6,5% que havia sido previsto por economistas na pesquisa do “The Wall Street Journal”. No varejo as vendas expandiram 4,3%. E o PIB do Japão subiu 5% no terceiro trimestre de 2020, sendo o maior desempenho desde 1980.

China e Japão também são participantes da RCEP (Parceria Econômica Regional Abrangente), o maior acordo de livre comércio do mundo. Estabelece integração econômica com 15 países da Ásia, não incluindo a Índia. As partes negociadoras representam 30% da população e economia mundial.

Na Espanha, o anúncio de acordo do banco BBVA para vender suas operações nos Estados Unidos impulsionou o setor bancário. E apesar da volta do lockdown, as bolsas europeias seguem em alta.

Mesmo com a esperança quanto ao controle do Covid-19 no porvir, o aumento constante no número de infecções diárias leva os EUA a uma situação delicada. Na sexta-feira (13/11), o maior nível de contaminação foi atingido, com 181.196 novos casos.

A eleição de Joe Biden continua sendo um destaque no noticiário. E os resultados continuam sendo questionados por Donald Trump. Domingo (15/11) grupos pró-Trump protestaram em Washington. Na mesma data, o atual presidente admitiu a derrota pela primeira vez. Mas ainda questiona a integridade das eleições.

Esta semana a agenda de divulgações estará mais tranquila. No momento o foco está nos resultados das eleições e na expectativa de o governo trazer novos posicionamentos sobre os estímulos fiscais para 2021.

Não deixe de acompanhar o Café Econômico em nosso canal do YouTube para se manter atualizado durante a semana. De segunda a sexta às 8h20 da manhã.

Bons negócios e conte conosco nos investimentos!

× Como posso te ajudar?