Quando for reclamar do preço da gasolina, saiba à quem culpar

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

É normal no almoço da família, na reunião com os amigos ou na conversa rápida do elevador reclamarmos do preço da gasolina. Mas você sabe o que realmente está acontecendo?

A Inflação está subindo a níveis cada vez mais preocupantes, o preço dos combusíveis e da energia se elevam ainda mais. Afinal, o que está acontecendo?

Primeiramente vamos apresentar alguns dados relevantes para que tudo fique claro. Este texto será uma versão escrita e mais curta da mentoria do dia 14/10, onde foi discutido sobre as crises energéticas e dos combustíveis no mundo. Caso prefira assistir ao vídeo na íntegra, deixaremos o link ao final do artigo.

Conforme pode ser observado nos gráficos acima, o petróleo ainda é a maior fonte de energia consumível no mundo, mas ela vem sendo reduzida ao longo do tempo.

Além disso, o índice de produção de petróleo não é constante, e a indústria tem um grande desafio, que é balancear a produção, equilibrando assim com a necessidade de consumo.

Observe como a indústria tenta seguir a demanda mundial por petróleo, no entanto, ela sempre está atrasada. Ainda assim, mesmo variando essa produção, o estoque tende a ter alguma estabilidade.

Outro dado relevante é apresentado no próximo gráfico, onde veremos a relação de regiões produtoras x consumo de petróleo.


A América do norte produz menos petróleo do que consome, a Europa produz bem menos do que consome, a Ásia-Pacífico também produz substancialmente menos do que consome, enquanto o oriente médio e Africa produzem mais do que consomem.

No próximo, veremos como é a logística do petróleo no mundo, onde podemos observar como o Brasil vende petróleo para a China e para os Estados Unidos, mas que também importamos dos EUA. Isso porque nosso petróleo é bruto, diferente do norte-americano, por isso precisamos de petróleo refinado para a produção dos nossos combustíveis.

O consumo de energias renováveis vem aumentando significativamente em todo o mundo desde meados de 2006, mostrando como os países buscam substituir o petróleo, carvão e gás natural por outras formas de energias renováveis.

No gráfico abaixo, veja os países que usam o petróleo para a geração de energia elétrica. O índice da América do norte, Comunidade dos Estados Independentes e Europa é bem pequeno frente à América Central e Africa, que ainda utilizam uma quantidade significativa. O oriente médio é o líder.

Resumindo o que foi dito até agora:

  1. O mundo tem uma grande dependência do petróleo para a produção de energia, mas ela vem sendo reduzida.
  2. Há uma diferença entre os países que são grandes produtores e grandes consumidores de petróleo.
  3. A produção de petróleo demora para se estabilizar em relação ao consumo do mundo, e com grandes crises que cancelam o consumo do petróleo instantaneamente, é desafiador para a indústria diminuir a produção.
  4. Após redução e interrupção na produção de petróleo, a população retoma o consumo usual e a indústria ainda não está preparada para lidar com a demanda.
  5. A indústria por não ter a capacidade de entrega e com maior demanda, repassa o valor mais elevado à população, gerando assim inflação.
  6. Os governos centrais do mundo com projetos de estímulos econômicos geram ainda mais inflação.
  7. Há mais dinheiro na economia do que anteriormente reduzindo o valor real da moeda.
  8. A Europa de 2015 inicia a redução na produção barata de energia por meio do carvão, para uma nova tecnologia mais cara, e que ainda não é feita em grande escala, com baixa produtividade de energia, visando reduzir a emissão de poluentes.
  9. Em meio à crise, a Europa não consegue suprir a quantidade necessária de energia com o novo modelo, e também não consegue voltar a utilizar instantâneamente o modelo antigo através da queima de carvão.

O Preço da Gasolina

Adentrando mais na área da gasolina, vejamos o gráfico acima mostrando o histórico de preço do petróleo. Com destaque para o crescimento de 51,66% em 2021 conforme amplamente divulgado nos principais veículos de informação. O que não é amplamente dito, é como em 2014 tínhamos um patamar extremamente mais elevado. Após isso houve uma queda grande no valor do petróleo, e não foi a Dilma, o Temer ou o Bolsonaro que influenciaram. Esse é o valor do barril de petróleo bruto em dólar, o mesmo cotado mundialmente.

Temos então 4 fatores fundamentais para o aumento da inflação no mundo, e gasolina no Brasil:

1 – Aumento no preço do petróleo
2 – Demora em resposta da relação de demanda x consumo
3 – Pacotes de Estímulos e excesso de dinheiro na economia
4 – Europa reduz produção de energia barata

Observe os gráficos abaixo com a inflação ao consumidor na Europa, Estados Unidos e Brasil após os projetos de estímulos econômicos serem aplicados.

Conclusão:

É mais fácil colocar uma sociedade inteira contra uma companhia, para culpar a elevação dos preços, e faze-los esquecer ou nem mesmo notar o verdadeiro causador da crise dos combustíveis.

Não tiramos o mérito de criar auxílio emergencial para a população que está em risco e necessita, mas a medida deve ser calculada,

porque, se criarmos dinheiro sem criar riqueza, a economia se torna insustentável, a médio e longo prazo, torna a população ainda mais pobre do que antes.

Não perca o próximo artigo dessa série de 3 postagens, onde falaremos mais sobre os impostos cobrados em cima da gasolina, a composição do preço nas bombas, que também impactam substancialmente no preço final do combustível.